You are currently viewing 80% da população académica vive sem liberdade académica

80% da população académica vive sem liberdade académica

A vasta maioria dos governos em todo o mundo se comprometeu a “respeitar a liberdade indispensável para a pesquisa científica” que está codificada no Pacto Internacional sobre Direitos Económicos, Sociais e Culturais. No entanto, com base no novo conjunto de dados do Índice de Liberdade Académica , fica claro que 80% da população mundial actualmente vive em um país que restringe a liberdade académica na prática. Portanto, o monitoramento consistente e global da liberdade académica é necessário para apoiar universidades, actores da sociedade civil e governos a defender essa liberdade de forma mais eficaz. Para fazer isso, o Global Public Policy Institute juntou-se a pesquisadores da FAU Erlangen-Nürnberg, do V-Dem Institute e da Scholars at Risk Network para criar o Academic Freedom Index (AFi) em colaboração com especialistas de todo o mundo.

A liberdade académica é um direito universal e essencial para uma educação, ensino e pesquisa de qualidade. É um motor de inovação, aumenta a capacidade de académicos e alunos de adquirir e gerar conhecimento e, assim, protege a capacidade de autorreflexão das sociedades. Embora Estados e universidades em todo o mundo se tenham comprometido por muito tempo com o respeito à liberdade académica, ela permanece mal compreendida – e está sob ataque em muitos lugares.

Enquanto este relatório é publicado, a comunidade internacional ainda está lidar com a pandemia global de COVID- 19 . As instituições de ensino superior têm tentado se adaptar às novas circunstâncias implementando a aprendizagem a distância física e, quando possível, através de colaborações virtuais. Mas, acima de tudo, eles tiveram que confiar e demonstrar criatividade. Isso inclui as inúmeras instituições académicas e pesquisadores que aproveitaram sua experiência para apoiar as respostas à pandemia e suas consequências. 

No entanto, a pandemia COVID- 19 também trouxe novas ameaças à liberdade académica. O mais notável entre eles é o aumento das oportunidades para a vigilância da pesquisa, ensino e discurso, bem como sanções, restrições, autocensura e isolamento. Embora essas medidas sejam especialmente prevalentes em países repressivos, o assédio online pode acontecer em qualquer lugar. Devemos redobrar nosso compromisso com o princípio de que a liberdade académica é importante – não apenas para o ensino superior, mas para todos.

O Índice de Liberdade Académica é um instrumento robusto para pesquisa, mas também serve para informar debates sobre políticas entre funcionários do governo, parlamentares, financiadores de pesquisas, administradores de universidades, académicos, estudantes e defensores. Este relatório visa contribuir ainda mais para tais debates.

Para além de apresentar os objectivos do índice, bem como o conjunto de dados, fornece recomendações específicas para os principais interessados ​​sobre como podem aplicar o AFi para proteger e promover a liberdade académica em todo o mundo.

De acordo com o relatório, o Uruguay (0,972), a Bélgica (0.970) e a Itália (0,969) são os países com maior liberdade académica, sendo a Coreia do Norte (0,011), o Turquemenistão (0,026) e a Eritreia (0,027) são os países com deficiente liberdade académica.

Angola encontra-se no nível abaixo da média, com 0,425 pontos de liberdade académica.

Fonte: Global Public Policy Institute; European University Association

Leia o relatório final abaixo (em língua inglesa):

Deixe um comentário