You are currently viewing “A demonstração da experiência prisional como pressuposto da reintegração social”.

“A demonstração da experiência prisional como pressuposto da reintegração social”.

Quero primeiramente dizer que não sou especialista em reabilitação prisional e pôs-prisional, mas sirvo-me desta publicação para chamar a nossa atenção à necessidade de se criarem mecanismos que visem limpar ou minimizar a reputação que certo sujeito tenha ganho entre o período em que ele tenha cometido certo crime até ao momento da sua libertação. Não me alongarei tanto, para não afugentar o cerne. Ora, admitamos que existem crimes e CRIMES e criminosos e CRIMINOSOS. A prática de um crime suja e compromete a imagem de qualquer indivíduo, tornando-o, muitas vezes, inábil para o exercício de funções sociais. Mas perguntemo-nos: não há possibilidades para que um ex-recluso seja recuperado, tanto por sua iniciativa como por intermédio de nosso “abraço”?. Após ser libertado, o ex-recluso não tem direito de mostrar à sociedade a sua experiência profissional, e afinal à sua mudança?. Claro que tem, e para tal materialização, desde que, é claro, seja da vontade deste, proponho as seguintes linhas:

1- Possibilidade de ao ex-recluso, apôs a sua libertação, ser-se fornecido um espaço público( tal como sucede nos julgamentos) para falar da sua experiência criminosa, prisional, transformação e sonhos.

2- Ser salvaguardada ao ex-recluso, à possibilidade de visitar instituições prisionais e com isto passar a sua experiência aos que naquela condição se encontram.

3- Apesar do carácter de afastamento muitas vezes imposto por lei, o ex-recluso deve gozar do privilégio de participar no crescimento social daquelas pessoas que de sí dependiam antes daquelas práticas.

4- As instituições prisionais e afins onde àquele recluso tenha estado, devem enviar às mais variadas instituições( quiça privadas ) uma carta de conforto, recomendando este para certa função.

Enfim, ” Eis que quando alguém está em Cristo nova criatura é; As velhas coisas passaram, eis que tudo fez-se novo”.

“Isaías Nicodemos”.

Deixe um comentário